sexta-feira, 6 de abril de 2012

NOVA YORK - O RELATÓRIO 911 DE ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIAS É CONTESTADO, MESMO APÓS UM INVESTIMENTO DE US$ 2 BILHÕES.


Josh Margolin, The New York Post

A administração Bloomberg está travando uma intensa batalha para suprimir um contundente relatório (interceptado pelo The Post) chamado de "911 CPR" - que constatou que o Sistema de Despacho Emergência da cidade de Nova York está deficiente.
O documento, formalmente conhecido como: revisão dos processamentos de chamadas, esta promovendo duras critica ao atendimento 911 de NY. Pois, mesmo após o investimento de mais US $ 2 bilhões para solucionar os problemas operacionais, os tempos de resposta a emergências (e cada segundo conta) realmente diminuiu.
Uma fonte descreveu como "nuclear" esta descoberta bomba:
Ocorre que o novo 911 de NY, mesmo com o investimento de US $ 2.bilhões de dólares, está pior pois aumentou o tempo que leva para o atendimento das chamadas de incêndio e dos serviços de emergências médica (MSE) quando iniciado a partir do 911. Alguns operadores que informaram ao the Post que:
-"O alto escalão da Policia de Nova York (NYPD), tentando manter suas estatísticas de atendimento em alta e justificar um orçamento cada vez maior, se recusam a permitir que o sistema da cidade 311 atue no despacho de chamadas de polícia não emergencial - apesar de que é como ele é feito em muitas outras grandes cidades" - como o 190, por exemplo, no Rio de Janeiro que só despacha as viaturas da PMERJ.
"Por este fato, US $ 100 milhões foram desperdiçados através da compra de sistemas de despacho separados para o NYPD e FDNY quando um novo teria sido muito mais eficiente. Os sistemas separados eram incompatíveis, então a cidade teve que gastar US $ 15 milhões para uma interface que permitiria a interconexão entre os dois sistemas (NYPD e FDNY)".
Embora uma série de relatórios demonstre que seria mais eficiente para a Câmara Municipal de Nova York exercer o controle direto sobre as comunicações de emergência - por causa de brigas incessantes entre o NYPD e FDNY - a prefeitura ainda está estudando a quem compete esta responsabilidade. "Isso porque funcionários da Prefeitura estão com medo de irritar o comissário de polícia Ray Kelly e sua equipe", disse a fonte.
O documento foi encomendado pelo prefeito Bloomberg após a resposta desastrosa da cidade durante a nevasca do Natal de 2010. Bloomberg insistiu que a análise da resposta do sistema de emergência de Nova York seria franca e sem rodeios.
Foi então gerado o referido relatório, de 216 páginas, sobre o novo 911, escrito por uma empresa de consultoria da cidade de Washington, onde as dificuldades eram tão contundentes que provocou o descontentamento (medo) ano mais altos escalões da prefeitura e da polícia de Nova York, que administra o sistema 911.
"O sistema é tão ineficiente e ineficaz que não é possível obter comunicações adequadas?", disse a fonte:. "os segundos contam em situações de emergência. As pessoas vão morrer!".
Depois de ser informada das conclusões feias do relatório, a Câmara Municipal de Nova York, ordenou a todos, que tinham conhecimento do conteúdo do relatório 911, "que deveriam calar a boca". Embora as folhas o documento de análise tenham sido carimbadas com "rascunho" para não ser considerado como documento oficial. Sua divulgação e os problemas decorrentes era uma questão de tempo.
A confirmação oficial de que o relatório foi feito finalmente chegou nos últimos dois meses, ao conhecimento dos advogados dos dirigentes sindicais do FDNY, formado por bombeiros de maio experiência do Departamento, que consideraram estas informações com uma ação contraria aos interesses da cidade de NY.
"Todos já ouviram falar desse relatório," declarou o Diretor de Comunicações do FDNY, Gerard Neville em 24 de fevereiro de 2012, nesse caso. "É como um best-seller -, mas ninguém nunca viu."
Na sexta-feira, a Suprema Corte de Justiça, do Estado de Nova York, ao ser notificada do relatório, ordenou que a prefeitura libera-se o documento. No entanto, esta determinação foi adiada depois que advogados da prefeitura entraram com uma medida cautelar de última hora - os autores do relatório se recusaram a comentar.
Porta-voz da Bloomberg Marc La Vorgna fez uma declaração - que se tornou o padrão de resposta da prefeitura para questões sobre os problemas com as comunicações de emergência:
"O sistema processa 11 milhões de chamadas por ano de forma eficaz e tempos de resposta estão dentro ou muito próximos, de níveis recordes", segundo ele, quando comparado aos outros sistemas dos EUA, disse La Vorgna. "Vamos continuar a construir sobre nossos ganhos de segurança pública que fizeram esta cidade mais segura do que nunca."
É uma emergência!
* Os sistemas de GPS para o NYPD e FDNY estão utilizando nomes diferentes para pontos de referência em torno dos cinco municípios, incluindo - incrivelmente - referências diferentes para o Empire State Building.
* A cidade é a instalação de sistemas de expedição distintas para o NYPD e FDNY. O sistema policial custar US $ 87,6 milhões, enquanto o sistema de incêndio, que não foi comprado, no entanto, deverá custar US $ 50 milhões.
* A cidade teve de gastar mais US $ 15 milhões para construir uma interface que permita que os dois sistemas se comuniquem uns com os outros.
* Apesar de despachantes de polícia e bombeiros foram movidos para uma localização central em Downtown Brooklyn, eles continuam trabalhando em sistemas de telefonia separadas para nenhuma boa razão.
* Ao contrário da maioria das grandes cidades, Nova York ainda não é possível calcular com precisão quanto tempo levará a equipe de emergência para chegar a uma cena.

Copyright © 2012 LexisNexis, uma divisão da Reed Elsevier Inc. Todos os Direitos Reservados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado! Sua participação é bem-vinda, contudo para evitar qualquer mal entendido vamos analisar sua opinião de forma democrática.

Loading...

Newsgula Headline Animator

Arquivo do blog